O IMPEACHMENT, OS PARASITAS E A VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Anos 70. Recordo-me da existência de dois partidos políticos na época: Arena e MDB. A Arena era a legenda da situação, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), mais tarde apelidado de PMDB, fazia uma oposição branda, apenas reivindicatória. Era um partido parasita da situação.

Com a tomada do poder pelos militares, impulsionado pelo governo Lyndon Johnson (e não Johnson & Johnson que seria bem mais profilático) dos Estados Unidos, o Tio Sam dava as cartas por aqui.

Com a adesão ao pluripartidarismo, ao movimento das Diretas Já e da volta dos anistiados, o Brasil começou a respirar mais livremente a democracia. Os partidos comunistas (os dos devoradores de criancinhas), que eram demonizados, podiam, ao menos, coexistir. 

Passaram os milicos. E o Presidente Figueiredo, que abominava o Paulo Maluf, apostou firmemente na opção de Tancredo Neves (ah o velho e bom oportunista de São João Del Rey) para o governo de transição. O que ele não esperava é que Tancredo não assumisse a presidência, não por divergências, mas por diverticulite. A Rede Globo transmitiu o féretro com pompas de herói nacional. Emocionei-me de fato. Ilusão de ótica. 

Para quem sobrou o governo? Para o “coronel” José Sarney, que havia sido presidente da Arena e mais tarde migrou ao PFL, e depois se converteu ao PMDB. O parasita se hospedara pela primeira vez na Presidência da República. Seu governo foi notório pelo maior índice de inflação que eu pude acompanhar no Brasil nesta encarnação: mais de 80% ao mês. Naquela época a palavra Impeachment era desconhecida...

Os marajás (e não os mahas atmas, que são grandes almas na Índia) sugavam a máquina do governo e esse foi o mote principal do caçador Fernando Collor de Melo, que venceu as eleições, bancado pela Rede Globo, desbancando o “sapo barbudo” operário e nordestino. Não demorou muito, e num dos seus surtos de paranoia, o engomadinho dono da comunicação alagoana, sequestrou todo o dinheiro dos brasileiros, naquele fatídico empréstimo compulsório. Assim, os “caras pintadas” foram às ruas e Collor levou uma sonora bota do Planalto.

Para quem sobrou o governo? Para o topetudo do PMDB, Itamar Franco. Novamente, o partido parasitário tomara o poder hospedeiro. Até agora não sei o que ele fez no governo, não há registros de sua passagem por Brasília... Só sei que os índices inflacionários eram grandes e o desemprego crescente.

Passamos então, à Era Neoliberal da privatização tucana de FHC. Os votos para a sua reeleição foram comprados e tivemos mais quatro anos de tucanato. O PMDB estava minguando, minguando...

Depois, vieram os governos progressistas do “sapo barbudo”, cujos números da economia no país são ainda imbatíveis. Até chegar ao governo histórico da primeira mulher como chefe executiva da pátria, a mátria! 

O primeiro mandato de Dilma Rousseff deu continuidade às políticas sociais de Lula. No entanto, a crise mundial que, como um tufão, já deixara rastros de destruição na Europa e nos Estados Unidos, deixou de ser uma marolinha para transformar-se num furacão recessivo. E o Brasil mergulhou de fato e fundo na crise. E, como não poderia deixar de ser, a mulher foi condenada à crucifixão, à morte no Golgota por corrupção sem provas. Centenas de políticos envolvidos, de diversas siglas partidárias, em escândalos de desvios de dinheiro e propinas, e a “terrorista e vagabunda do estádio de Itaquera” foi condenada, sem julgamentos, à execração pública.

Hoje, uma comissão eleita para julgar o processo de Impeachment de Dilma, com nomes “probos” da política nacional como Paulo Maluf e Eduardo Cunha, trabalha incessantemente para aprovar a sua expulsão, a que chamamos carinhosamente de Golpe.

Se aprovados todos os processos, a presidenta Dilma será a primeira líder de uma nação, que será escorraçada do poder sem que se prove improbidade administrativa ou envolvimento com corrupção. Exclusive as doações de empreiteiras para as campanhas políticas, prática nefasta que só uma reforma política aniquilará, e que a presidenta Dilma se propôs a realizar, sem apoio. E as empreiteiras que deram dinheiro à sua campanha? Ora, eu não conheço nenhuma candidatura que não receba doação de campanha. Isso é que, na verdade, sustenta políticos profissionais especialistas em candidaturas como, por exemplo, o caricato Levy Fidelix e o democrata cristão José Maria Eymael. Reforma Política já!  

O Brasil já esteve em crises muito mais devastadoras do que a atual e, nem de perto, foi aventado o Impeachment. Este golpe político e vestido de constituição é uma afronta à vontade soberana do voto da maioria da nação.

E, mais uma vez, vai sobrar para quem o governo? Para o vice-presidente do Brasil, Michel Temer, do PMDB, partido parasitário brasileiro que hospedará nomes como Armínio Fraga, Sergio Moro, Gilmar Mendes e José Serra.


Como isso dá certo!  

Mais uma vez, o Parasitismo pode ofertar ao PMDB, a Presidência da República. Certamente, nos próximos anos, eles disputarão as eleições para a Vice-Presidência do Brasil!  

Comentários

  1. Parabéns, Maurício. Brilhante nas palavras, como sempre. Bravo brasileiro!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas