12.5.15

CRISTO NÃO É APENAS JESUS, SEM HERESIAS.

Jesus era cristão? Não.

Jesus era Cristo e Cristo vem da palavra grega "chresto" ou latina "chrestus" que significam "Ungido" de Deus. Ungir, untar, unção significam a ligação entre um ser e outro por intermédio de uma consagração que pode ser representada por algo material como óleo ou azeite. Unção é União Total. O Cristo é um ser unido integralmente a Deus.

Há apenas um Cristo? Não. Há muitos seres extremamente ascensos que são untados a Deus. Todos nós somos deuses e formamos apenas um, o próprio Deus. A união de Eus formam Deus (sem forma), das sombras à Luz.

Há irmãos em estado de unção plena a Deus. Seres que estão em um patamar mais perto do Universo, da Luz, de alcançar a divindade. Estes são os Cristos.

Jesus de Nazaré, o Rabi, foi um deles, o mais próximo da humanidade, o mais conhecido por nós. Mas, há outros como, por exemplo, Babaji, o Cristo iogue. São co-criadores de mundos e, muita gente afirma que Jesus Cristo, co-criou o planeta Terra e, por isso, tem esta magnitude e essa ligação com a Terra.


Buda é outro estado de consciência, assim como Cristo, e não somente uma pessoa. Sidharta Gautama alcançou este estado búdico, que significa "iluminado".

Todos nós temos a partícula divina. Todos podemos ser Budas ou Cristos.

Por enquanto, somos pequenos buscadores.

7.5.15

O BRASIL TEM A SÍNDROME DA SUBSERVIÊNCIA

Será que copiamos a mania estadunidense, herdada do Reino Unido, de "monarquizar" todos os ídolos? Nos Estados Unidos, Elvis Presley é chamado de The King (O Rei). Aqui, a gente já nomeou alguns reis e rainhas, e até príncipes, ao longo do tempo. A lembrar: Rei Roberto Carlos, Rei Pelé, Rainha Xuxa, Príncipe Ronnie Von, e por aí vai...

Este colonialismo é algo arraigado no povo brasileiro, principalmente o puxa-saquismo vira-lata que pensa que tudo o que está lá fora é melhor do que está cá dentro. Os portugueses cansaram (e até hoje fazem isso) de babar ovo dos ingleses. O bom disso tudo é que esta babação produziu o Vinho do Porto (pegaram o melhor vinho da região douro e acrescentaram brandy para agradar aos britânicos).

Os budistas dizem que a gente carrega alguns karmas dos nossos ancestrais. A psicologia fala sobre a herança genética. Enfim, eu acho mesmo que o brasileiro tem a Síndrome da Subserviência do colonialismo português e dos africanos (e não dos indígenas que preferiam morrer do que virar escravos).

Um dos exemplos mais crassos desta nossa subserviência é que muita gente prefere o governo liberal ou neo liberal do que um governo voltado às necessidades sociais. A iminente e talvez possível lei que amplia a terceirização é um exemplo disso. Enquanto, o ex-presidente Lula bradava na TV contra a terceirização, uma boa parte dos brasileiros batiam panelas e buzinavam contra ele. Lula, o presidente nordestino, metalúrgico, sindicalista e ainda por cima, corintiano, que a elite tanto detesta.

Esta política liberal ou neoliberal governa para as classes mais abastadas como os industriais, os banqueiros, os grandes comerciantes, o monopólio midiático, etc. Estes grupos, que detém o poder nas mãos, querem continuar a ser dominantes. Quando perdem espaço resolvem promover verdadeiros boicotes e sabotagens.

E pelo que tenho visto, muitas pessoas, acostumadas à manipulação da mídia, acabam por entrar neste jogo que só "eles" vencem.

Isso para mim é subserviência herdada. "A escravidão permanecerá...".

4.5.15

O ESTRANHO ATO DE VELAR UM RENASCIMENTO


Quando eu era criança, assistia uma série que se chamava Os Invasores. O mote do filme era a invasão de alienígenas que se disfarçavam de humanos para manipular e dominar a sociedade. Toda vez que algum ET morria, ele se desintegrava.

Penso que com a gente deveria acontecer o mesmo.

Quando eu vejo um dor profunda e lancinante velar um corpo vazio e inerte, sinto-me compassivo. Quase choro junto, mas sinto que este ato não faz mais sentido e ainda atrapalha o andamento das coisas.

A humanidade conta milênios, mas ainda promove algumas práticas milenares que vão na contramão da própria evolução. O velório é uma delas. Para que serve um velório? Velar um corpo vazio e inerte e nada mais? Não seria melhor orar, vibrar positivamente e emanar amor, paz e luz aos que deixaram o corpo físico?

Assim, peço aos que me têm amor: quando eu estiver atravessando o portal entre as vidas, não pensem no meu corpo e sim, na minha alma que voa, no meu coração. Coloquem os restos físicos naquela caixa e esqueçam deles. Enterrem-nos ou queime-os.

Não pensem na morte, pensem na minha vida, a que tive e a que terei.

Pensem no meu renascimento.



Nós não somos estátuas de sal

A Bíblia conta a história de Ló e de sua família que foram salvos por Deus da destruição de uma cidade inteira. Todavia, o Senhor recomendo...