SOMBRAS DE UMA ALMA BARROCA

Eu tenho uma personalidade barroca.
Combino muito mais com as montanhas férreas das Gerais, com os pórticos de pedra-sabão, com o vapor lúdico da Maria Fumaça.
Com o lirismo poético de um Dirceu em busca de um sonho de amor com Marília.
Com a vista da sacada para a Igreja de São Francisco.
Com o pão de queijo de fim de tarde. Com o queijo meia cura do começo do dia.

Não sou afeito à fumaça que sobe apagando as estrelas.
Não gosto do estilo yuppie elitista de São Paulo, da sua vida de shoppings, das suas tardes insossas, sem praias e sem montanhas.

Sou do Ipiranga, me escondo nos jardins do Museu.

Rechaço o madamismo, a peruagem pretensiosa das paulistanas.
O ogrismo dos seus machinhos com camiseta regata.
Torço o nariz para os seus automóveis de luxo.
Dou de ombros às suas baladas energéticas, às suas madrugadas vazias e cheias de gente.
À sua arrogante liderança.

A água não tem para onde escorrer e causa cheias.
Eu não consigo ver o horizonte.
O céu está sempre cinza, mesmo no tempo bom.
E as pessoas não se encontram.

Aqui, onde eu me encontro estou perdido.

Comentários

  1. Lindo! Posso reproduzir, citando o crédito? Um abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas