A QUEM AMO - SOB INSPIRAÇÃO DE TAGORE

Este texto eu escrevi há uns cinco anos atrás, mas é muito atual. Quero novamente partilhá-lo.

A quem amo

por Maurício Santini

Meu amor, se eu te prender com as correntes do meu egoísmo, então não é amor, é escravidão e controle.

Se eu não sentir, ao menos, por ti, uma nesga de dor, então não é amor, é emoção efêmera.

Se não me bater a lembrança das horas que passamos espremendo os minutos, então não é amor, “é nuvem que passou e não choveu”.1

Se o teu riso, mesmo que distante, não desenhar o mesmo em minha boca, então não é amor, é desdém e contradição.

Se o teu pranto não contagiar meus olhos, então não será amor, posto que não há compaixão.

Se eu tapar os olhos dos teus defeitos e imperfeições, isso não é amor, é cegueira e paixão.

Por outro lado, se eu nunca agradecer pela tua existência em mim, não pode ser amor, é desleixo de quem só tem olhos pra si.

Se eu disser que te amo apenas no afã dos meus desejos, nos turbilhões da minha pele, então não é amor, é frase de momento, hálito de tesão.

E se eu tapar meus ouvidos aos gemidos da tua dor lancinante, quem pode dizer que isso é amor, é omissão e jogo.

Todavia, se eu saciar todos os teus anseios, até os mais injustos, então não se trata de amor, é compra, aquisição de um bem pelo poder.

Meu amor, se eu te abandonar na primeira rusga, no ato de uma bofetada do destino, então isso não pode ser amor, é medo das pedras do caminho.

Se eu, por ventura, servir-te apenas de escudo das tempestades de granizo, então continua não sendo amor, é só necessidade de proteção.

Se eu nunca verter nenhuma gota instantânea que sai dos meus olhos quando te vejo, então o amor não se faz em mim porque meu olhar está seco pelo vento.

Ao contrário, se eu não abrir meu sorriso e não te ofertar as pétalas que saem do meu peito quando penso em ti, então o meu amor não é um jardim fértil e feliz, jaz, com o tempo, em solo árido.

Assim, se eu me calar e esconder minhas palavras de afeição, talvez isso seja amor, um amor que busca o silêncio pra se expressar.

Ao mesmo tempo, se eu gritar que te amo e “meu coração não me sair pela boca”2 então não será amor, será tudo, menos amor.

E se eu estiver, de fato, contigo, mas minha alma voar distante, isso será amor porque estarei livre dos elos que te prendem ao meu ego. 

Meu amor, se eu te amarrar em meus braços, estarei ocupado a aprisionar a mim mesmo, e isso não é amor.

Mas, se eu libertar-te de qualquer apego, tua distância fará com que te ame mais e mais...Infinitamente.

Assim, quando adormecer em mim o breu dos ciúmes e amanhecer em nós a manhã da liberdade, aí reside o amor, no espaço, solto entre os astros e as estrelas, deitado confortavelmente sobre as mãos de Deus!



1 – citação da canção A Montanha e a Chuva de Orlando Moraes

2 – citação de um verso de Rabindranath Tagore

Comentários

Postagens mais visitadas